Seguidores Vip

SEGUIDORES VIP

Gilvan Maq-Peças

Gilvan Maq-Peças
Tobias Barreto - Sergipe

TOCA DO ÍNDIO

TOCA DO ÍNDIO
DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS

sábado, 23 de maio de 2015

ABENÇOADA CHUVA

Rangel Alves da Costa*


Apesar dos muitos transtornos que causam numa cidade nunca preparada para receber chuvisco, as chuvas que vem caindo em Aracaju são verdadeiramente abençoadas. E mais ainda se as nuvens pesadas estivessem presentes nos céus de todo o Sergipe, principalmente na região do semiárido sertanejo, onde a seca continua como ameaça.
Já é o terceiro dia de chuvarada boa, ora mais intensa ora mais amena, porém constante. Amanhece e anoitece com aquele clima bom de molhação, de pingo caindo, de goteiras latejando e biqueiras jorrando. A não ser para os ofícios cotidianos, poucas pessoas se atrevem a sair pelas ruas, ainda que protegidas de guarda-chuva. E ali e acolá, porém desnecessariamente, um ou outro com casaco de frio. Frio em Aracaju é coisa inexistente, e desde muito.
O que se tem a partir de junho é apenas a diminuição do insuportável calor, mas nada que possa ser considerado como frio. Talvez uma ilusão nordestina num povo tão acostumado às mais elevadas temperaturas que basta o clima refrescar um pouco mais para já lançar mão de casaco cheirando a naftalina. Na região sertaneja é diferente da capital, pois a partir de julho até setembro as noites são verdadeiramente de geladeira.
Deitei com a chuva caindo, e chovendo muito, e acordei na mesma constância molhada. Mirando o horizonte, em direção a Barra dos Coqueiros, o que se encontra é uma formação carregada, fechada, sinalizando que muita água ainda vai cair por aqui. Melhor que seja assim. Olhando pelas ruas, avisto as correntezas que passam por cima do asfalto, lavando e levando os restos dos dias idos, como se preparasse a cidade para uma nova vida.
Esse banho essencial que a cidade toma não vem, contudo, senão também carregado de sacrifícios, dores, sofrimentos. Muitas famílias habitam moradias que nunca estão preparadas para uma chuva mais forte. Acostumadas com o tempo ensolarado, constroem em encostas, levantam paredes com pouco barro, encobrem seus barracos com folhas de madeira, palha de coqueiro ou papelão, e quando a chuvarada cai é um deus nos acuda.


Triste sina de um povo pobre, sofrido, vivendo na miséria e no esquecimento dos poderes públicos, que nem na chuva abençoada pode encontrar alegria. Pelo contrário, o que vem de cima em forma de pingos grossos sempre traz medo, angústia, desolação. E quanto mais chove mais as águas vão tomando conta do chão de barro, das esteiras e camas, dos caixotes de frangalhos. Somente quando um barraco desaba é que a defesa civil aparece para dizer que tudo faz para proteger a pobreza.
Contudo, como disse São Pedro, o chefe da torneira lá em cima, não há chuva que não traga vida e também sacrifícios. Estes são avistados nas regiões mais afastadas e pobres da cidade, nas casinholas de um povo desprotegido de tudo, nas esquinas empoçadas do centro e bairros, nas situações de perigo por todo lugar. Caminhar por Aracaju debaixo de chuva é certeza de a qualquer momento ter de nadar para atravessar um rio de lado a outro duma rua.
Mas, como disse o santo, também a vida pujante, nova, esperançosa. Na perspectiva de mudança climática, a chuva é boa para tudo. Não há nada melhor que a pessoa deitar com ela caindo, ouvindo seu respingar no telhado ou no lado de fora, levantar com o tempo molhado, as ruas lavadas, uma leve sensação melancólica. As plantas se fartam sozinhas, os jardins mergulham festivamente, as pétalas se deixam escorrer como lágrimas de alegria. E mais tarde o verde, a nova paisagem, a necessária crença no renascimento.
Mesmo num dia de sábado, acordei cedinho, ou ainda na madrugada, um pouco menos das três. Não precisei de banho de banheiro porque a biqueira parecia me chamar no quintal. Venha, venha, aproveite, e fui. E retornarei. Agora são seis e meia da manhã e após o ponto final neste texto retornarei. A biqueira me espera porque sabe que sou sertanejo e gosto de água. E principalmente gosto de chuva. Gosto do som da chuva caindo e da ressonância provocada nos sentimentos.


Poeta e cronista
blograngel-sertao.blogspot.com 
Postar um comentário

NA ESTRADA DA VIDA

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

FRAM MARQUES

Minha foto

MINHA PÁGINA:

MEU GRUPO: 

MEU SITE:

SIMPLES ASSIM...

HOJE APRENDI QUE VIVER É SER LIVRE, QUE TER AMIGOS É NECESSÁRIO, APRENDI QUE O TEMPO CURA, QUE LUTAR É MANTER-SE VIVO, QUE DECEPÇÃO NÃO MATA, QUE HOJE É REFLEXO DO ONTEM, QUE VERDADEIROS AMIGOS PERMANECEM QUE A DOR FORTALECE, QUE A BELEZA NÃO ESTA NO QUE TEMOS, MAS SIM NO QUE SENTIMOS! , E QUE O SEGREDO DA VIDA É VIVER,

LUTE, SONHE, PERDOE, CONQUISTE CADA SEGUNDO, POIS,
NA VIDA NÃO HÁ RETORNOS:
SÓ RECORDAÇÃO.

SE ALGUM DIA ALGUÉM LHE DISSER QUE SEU TRABALHO NÃO É DE UM PROFISSIONAL, LEMBRE-SE:
AMADORES CONSTRUÍRAM A ARCA DE NOÉ E PROFISSIONAIS CONSTRUÍRAM O TITANIC.
PORTANTO, ANTES DE RECLAMAR, LEMBRE-SE, NÃO SOU PERFEITO, MAS PROCURO A PERFEIÇÃO.




FRAM MARQUES

AS MAIS COMPARTILHADAS NA REDE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA