Gilvan Maq-Peças

Gilvan Maq-Peças
Tobias Barreto - Sergipe

TOCA DO ÍNDIO

TOCA DO ÍNDIO
DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS

segunda-feira, 6 de junho de 2016

CRÔNICA: O CHEIRO BOM DO MÊS JUNINO


*Rangel Alves da Costa


O mês de junho chegou e com ele o cheiro bom saído das panelas, dos tachos, dos fornos, das palhas esverdeadas, e a maioria perfumada de milho, de coco, de cravo e canela, de tempero junino. Para muitos, é o período mais esperado e apreciado do ano, é o tempo apropriado para esquecer um pouco a dieta e sair experimentando de tudo um pouco. E também fazer promessa para arranjar namorado.

Dizem que o quentão faz encontrar a palavra, a fogueira espalha pelo corpo um calor diferente, ao redor das chamas os olhos vão se cruzando, e até aí São João já fez sua parte, pois o resto fica por conta de Santo Antônio. E são tantas as promessas que de vez em quando o pobre santo se vê de cabeça pra baixo, enterrado, escondido e até perfumado no corpo inteiro. Promessas juninas, mistérios antigos e por muitos ainda revividos.

Certamente que não é mais aquela festança tomando conta das portas, das calçadas, das ruas. Não há mais uma profusão de fogueiras acesas, de mesas enfeitadas, de folguedos e animações. Até mesmo os arraiais rarearam, e igualmente as autênticas quadrilhas matutas, ostentadas no compasso da dança e não na fantasia carnavalesca. Olha-se para cima e já não se avista bandeirolas coloridas dançando à ventania. Balões enfeitados, corações despertados pelos sabores, tudo isso parece coisa de outros tempos.

Mas o cheiro bom do mês junino ainda permanece, mesmo que não esteja fácil dispor do milho, do coco e demais preparativos para os pratos mais diversos. O milho faltou no sertão, tudo que chega vem de lotes e a preços absurdos. Mas é tradição, e como tal ainda é preservada por muitos. Mesmo sem o autêntico forró pé-de-serra e sem a quadrilha matuta, a verdade é que a festa de São João não pode faltar. Muito menos seus cheiros e sabores apaixonantes.

Mesmo sem a feição de outros tempos, creio que também neste São João não faltarão as fogueiras soltando suas labaredas, os braseiros servindo de assadeiras para carnes, milhos, queijos e até para os batismos simbólicos da época. E ao redor, tomando todos os espaços da rua, as mesas com as iguarias típicas e apetitosas. Uma fartura de gostos, sabores, pedaços e porções que se acumulam nos pratos e vasilhames e que vão fazendo a festa da gulodice.


Por isso mesmo que já sinto a presença daquelas comidas, bebidas e um monte de iguarias que logo mais estarão diante de todos. Não vai demorar muito e as cozinhas estarão preparando as canjicas, os bolos, os milhos cozidos, os licores, o arroz doce, o mungunzá, a pipoca, o quentão. As carnes serão cortadas como para churrasco, linguiças amontoadas, as espigas de milho preparadas para o crepitante braseiro. Talvez eu esteja querendo demais, mas é pela vontade mesmo.

Os fogos também não pipocam mais como antigamente. De vez quando apenas uma bombinha ou outra. Mas enquanto a verdadeira festança não chega, enquanto não vejo a meninada toda animada soltando suas chuvinhas e traques, fico imaginando as fogueiras acesas, os sons da sanfona e todas aquelas delícias perfumando os espaços. Já vejo o arroz doce sendo despejado no copo ou no prato, a canjica cheirosa recebendo a canela, o mungunzá sendo enfeitado com cravo da índia.

E tudo faz recordar meu sertão. Não o de agora, mas aquele sertão de vizinhos e compadres reunidos ao redor da fogueira, no proseado e na comilança, na animação e no compasso do forró. Quando não há um bom sanfoneiro, pois raridade também por lá, então o auxílio vem com Luiz Gonzaga e sua cantoria junina: Olhe pro céu meu amor, vê como ele está lindo. Olhe praquele balão multicor como no céu vai sumindo. Foi numa noite igual a esta...

E também chega uma recordação boa das coisas simples e belas das noites juninas sertanejas. Sem igual é o São João na roça, nas distâncias do mundo, onde somente a fogueira e o luar iluminam vidas e esperanças. A palha do milho retirado ali mesmo, de espiga nova e bonita, para depois ser estendida pelos lados da fogueira ou já no braseiro. Da cozinha chega um cheiro bom de canjica, de vez em quando aparece um copo com uma aguardente misturada com casca de pau.

Enquanto o fogo crepita e o menino brinca correndo atrás de estrelas, a família e os amigos alimentam nas chamas os prazeres da vida. Coloca-se mais lenha, alimenta-se a fogueira porque a noite é longa e o santo junino não gosta de ver ninguém triste na sua noite. Não há o licor, o quentão, o prato refinado, mas o que há se torna suficiente para que a tradição da data não seja esquecida: o milho assado, o milho cozido, a canjica, o arroz doce. Ou somente a vontade de ter.

Muitas vezes somente a fogueira faz companhia, e apenas o cheiro da lenha esturricando e da fumaça tomando os ares. Mas ainda assim o cheiro junino. E no olhar e no coração o pedido ao santo que tão cedo não lhe permita apagar como aquela chama.


Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com

Nenhum comentário:

NA ESTRADA DA VIDA

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

AS MAIS COMPARTILHADAS NA REDE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA