Gilvan Maq-Peças

Gilvan Maq-Peças
Tobias Barreto - Sergipe

TOCA DO ÍNDIO

TOCA DO ÍNDIO
DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS

domingo, 30 de abril de 2017

Sequência de fotos mostra que cassetete de PM quebrou ao atingir rosto de estudante

Sequência de fotos mostra que cassetete de PM quebrou durante agressão a estudante, em Goiás (Foto: Arquivo pessoal/Luiz da Luz)
Sequência de fotos mostra que cassetete de PM quebrou durante agressão a estudante, em Goiás (Foto: Arquivo pessoal/Luiz da Luz)

Uma sequência de imagens mostra o exato momento em que o estudante Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, foi agredido por um policial militar durante uma manifestação, em Goiânia. Nas fotos é possível ver que, com a força do golpe, que atingiu o rapaz no rosto, o cassetete manuseado pelo agente quebra. A vítima segue internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com quadro de saúde grave. A PM diz que apura o caso.

A agressão contra Mateus ocorreu no início da tarde de sexta-feira (28), durante manifestações e greve geral realizadas em Goiânia, e já tinha sido registrada em vídeo. Um grupo de mascarados entrou em confronto com policiais militares, quando o estudante foi atingido pelo golpe e ficou caído no chão. O agente saiu correndo e o rapaz recebeu os primeiros socorros de outros manifestantes.

O estudante foi levado para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). De acordo com o boletim médico, divulgado no início da tarde deste sábado (29), o rapaz segue sedado e intubado. Ele sofreu traumatismo cranioencefálico (TCE) e múltiplas fraturas. Ainda não há previsões de cirurgia. 
A família de Mateus mora em Osasco, na Grande São Paulo. A mãe dele e um irmão devem chegar a Goiânia nesta tarde para acompanhar o rapaz. Enquanto isso, amigos do estudante passaram a noite na recepção do hospital, já que apenas os familiares podem visitá-lo.

Enquanto esperam por notícias, amigos deixaram cartazes na porta do hospital para homenagear Mateus. Nas mensagens, eles desejam a rápida recuperação do rapaz e pedem que o caso seja devidamente apurado.
Na sexta-feira, amigos do rapaz, que preferiram não se identificar, disseram à TV Anhanguera que ele estava sem máscaras e não participou de nenhum ato de vandalismo durante o protesto. Porém, antes da agressão, é possível ver que o estudante estava sem camisa perto dos policiais. Momentos depois, ele aparece com um capuz e parte do rosto encoberto, junto a um grupo de manifestantes mascarados.

Repúdio
O reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Orlando Amaral, também esteve no hospital nesta manhã em busca de informações sobre o estado de saúde do estudante. “Ele está na UTI, o estado dele é grave, mas estável, não há febre, e agora vai ser analisado do ponto de vista neurocirúrgico, para ver da necessidade, ou não, de uma intervenção cirúrgica”, disse à TV Anhanguera.

Mais cedo, a UFG, onde Mateus cursa o 3º período de ciências sociais, já tinha divulgado uma nota repudiando a agressão. No hospital, o reitor voltou a criticar a postura da PM. “Ele estava lá junto com dezenas, centenas, milhares de outros estudantes, professores, a comunidade, a população em geral, e não se justifica uma atitude como essa, uma violência tão desproporcional, em uma situação que obviamente demandava uma postura diferente da polícia, que é o que nós esperamos”, disse o reitor.

A Polícia Militar não quis se manifestar sobre as falas do reitor da UFG nesta manhã, mas reafirmou que “o Comando da PMGO condena veementemente todo e qualquer tipo agressão, praticada por policias militares no exercício de sua função, não compactuando com atos que possam afrontar os princípios da ética, moral e legalidade”.

Ainda segundo a nota, “diante das imagens que circulam em redes sociais, que mostram a clara agressão sofrida por Mateus Ferreira da Silva, quando da intervenção policial militar, o Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Divino Alves de Oliveira, determinou a imediata abertura de Inquérito Policial Militar pela Corregedoria-PMGO com o objetivo de individualizar condutas e apurar responsabilidades”.

Ainda no comunicado, a PM afirma que quatro policiais militares foram feridos durante o confronto e foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) para serem submetidos a exames de corpo de delito.

Já a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) informou que condena as agressões sofridas por Mateus e que atos como este "ferem a ética da corporação e das demais forças que compõem a Segurança Pública, cuja missão é proteger vidas e jamais atentar contra qualquer cidadão".

O comunicado destaca ainda que a "exigência de imobilização de eventuais manifestantes nunca justificará a transgressão de limites". Por fim, pontua que, se confirmado autoria, a SSPAP será "rigorosa na punição administrativa e no encaminhamento para a esfera judiciária".

Protesto
O protesto em Goiânia começou às 8h de sexta-feira, em frente a Assembleia Legislativa de Goiás, no Setor Oeste. Às 10h10, os manifestantes começaram a caminhar em direção à Praça Cívica. De lá, seguiram para a Praça do Bandeirante, também no Centro. Segundo os organizadores, 30 mil pessoas participaram. Já a Polícia Militar não divulgou o número de manifestantes.
Participaram da manifestanção entidades como a Central Única de Trabalhadores (CUT), Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde de Goiás (Sindsaúde), Sindicato dos Policiais Civis de Goiás (Sinpol), Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), entre outras.
De acordo com o presidente da CUT em Goiás, Mauro Rubem, diversos serviços públicos foram afetados durante a paralisação. "Bancos e escolas, inclusive particulares, estão fechados. Vários órgãos públicos também aderiram ao movimento, como o Ministério Público Estadual, Ministério da Saúde, Ministério do trabalho", afirmou ao G1.
Durante o confronto, algumas agências bancárias que ficam no cruzamento da Avenida Goiás com a Anhanguera tiveram vidros quebrados por mascarados. Além disso, comerciantes da região fecharam suas portas, por volta do meio-dia, com medo de invasões e depredações, e só reabriram após o fim do protesto.

Por Fernanda Borges, G1 GO

sábado, 29 de abril de 2017

Dirigentes do Pros; partido se vendeu à campanha de Dilma

“ONÇA” - Euripedes Junior (à dir.) e o helicóptero do Pros: política, negócios e fortuna

“ONÇA” - Euripedes Junior (à dir.) e o helicóptero do Pros: política, negócios e fortuna (Divulgação)

Durante a campanha de reeleição da ex-presidente Dilma Rousseff, a Odebrecht recebeu um pedido dos petistas para que a empresa comprasse cinco partidos: PP, PDT, PCdoB, PRB e Pros receberiam cada um 7 milhões de reais em troca de seu tempo de propaganda política no rádio e na TV. Somando tudo, a campanha de Dilma ganharia três minutos e dezenove segundos a mais de exposição no horário eleitoral. Alexandrino Alencar, executivo da Odebrecht destacado para cuidar do negócio, revelou os detalhes da negociata em um depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral. Contou que ficou encarregado de pagar três desses cinco partidos: Pros, PRB e PCdoB. E assim foi feito, com dinheiro do departamento de propina da empreiteira. Os partidos — todos eles — negam envolvimento nesse crime eleitoral. Mas Alexandrino revelou um fio da meada: disse que, no caso do Pros, 500 000 reais foram entregues ao então deputado Salvador Zimbaldi, a pedido de Euripedes Junior, o presidente do partido. “Na época, comentei com o próprio Junior: ‘Junior, 7 milhões não é dinheiro demais?’ Ele falou: ‘É pouco, vale 50 milhões'”, lembra Henrique José Pinto, presidente de honra do Pros, que conta ter ouvido de Euripedes Junior que a Odebrecht estava por trás do negócio.

Por Hugo Marques

VEJA


Política: A Justiça e a lei

Moro: a Justiça deve agir com firmeza para interromper o ciclo delitivo (Laílson Santos/VEJA)
Terça-feira, 25 de abril. A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) dá um perigoso sinal sobre os rumos da Operação Lava-Jato e coloca em liberdade dois condenados no escândalo do petrolão: o empresário José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula e avalista de um empréstimo fraudulento usado para canalizar propina para o PT, e o ex-tesoureiro do Partido Progressista (PP) João Claudio Genu, apenado em oito anos e oito meses de prisão por 11 crimes, entre eles corrupção passiva e associação criminosa por ter participado do esquema que desviava recursos da Petrobras. Ambos haviam sido condenados pelo juiz Sergio Moro, que em Curitiba conduz com mão de ferro os processos que tratam do propinoduto instalado na Petrobras. Após a ordem para a soltura dos dois condenados, o ministro Gilmar Mendes, que preside a Turma, verbalizou o recado do Supremo: “Curitiba passou dos limites e concedemos os habeas corpus”.
O julgamento daquela terça reacendeu a esperança em políticos e empresários condenados e encarcerados em Curitiba e pode significar a maior derrota do juiz Sergio Moro desde o início da Lava-Jato, há mais de três anos. O ex-diretor Renato Duque, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e os ex-deputados Eduardo Cunha e André Vargas esperam que os argumentos em favor da liberdade de Genu e Bumlai possa ser estendido a eles. O ex-ministro José Dirceu, condenado a 32 anos de prisão, é o primeiro da fila. Ele deve ter um pedido de habeas corpus julgado nos próximos dias.
A liberdade de condenados no petrolão é apenas o primeiro grande revés contra Sergio Moro. Há um golpe muito maior em andamento contra a Lava-Jato, no Congresso Nacional: um truque que pode livrar os políticos de serem julgados por Moro, mesmo que percam o foro privilegiado.
Por Laryssa BorgesMarcela Mattos

Cai liminar que proibia aérea de cobrar por bagagem


     Malas (Pixabay)



A Justiça Federal no Ceará derrubou a liminar que impedia as companhias aéreas de cobrarem pelas bagagens despachadas. No fim de 2016, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) havia liberado a cobrança a partir de 14 de março deste ano. Na véspera de a medida entrar em vigor, porém, o juiz José Henrique Prescendo, da 22ª Vara Cível Federal, em São Paulo, a derrubou em caráter liminar.

VEJA





Greve atinge todo o país, mas reúne pouca gente e tem confrontos

VEJA


Movimentação contra as reformas da Previdência e trabalhista deixa cidades com cara de feriado e termina com governo e centrais sindicais cantando vitória

Protestos em São Paulo

















Polícia usa bala de borracha contra manifestantes em frente à casa do presidente Michel Temer, na região de Pinheiros em São Paulo, durante protestos contra a reforma trabalhista e da previdência - 28/04/2017 (Ricardo Matsukawa/VEJA.com)

greve geral convocada pelas centrais sindicais e movimentos de esquerda contra as reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB) afetou todos os estados da federação, conseguiu deixar algumas capitais com cara de feriado, mas reuniu poucos manifestantes nas ruas, teve confrontos violentos no Rio e em São Paulo e terminou com os dois lados – governo e sindicatos – cantando vitória.

O efeito ‘cidade-fantasma’ em algumas capitais, como São Paulo, foi decorrência, principalmente, da adesão de motoristas de ônibus, trens e metrô, além de bloqueios em rodovias importantes do entorno da capital, que dificultaram a locomoção de trabalhadores.
Não há números confiáveis sobre a adesão. O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, estimou em 40 milhões o número de trabalhadores que pararam, mas não explicou como chegou a este número. “O recado foi dado. O governo agora terá oportunidade de abrir negociações para fazer uma reforma justa e civilizada”, disse.
Central Única dos Trabalhadores (CUT) não fez uma estimativa com números, mas seu presidente, Vagner Freitas, considerou a paralisação um sucesso. “Mostramos ao Temer que a população não concorda com as reformas”, disse. “E não para aqui. Vamos ocupar Brasília para que o Congresso não vote as reformas e vamos fazer mais greves se for necessário”, disse.
O governo viu diferente. O ministro da Justiça, Osmar Serraglio, afirmou que “não houve greve, mas uma baderna generalizada”, que foi coibida rapidamente pela polícia, que liberou bloqueios e piquetes que impediam que aqueles que não aderiram à greve se dirigissem aos locais de trabalho.
Sobre o impacto do protesto na tramitação das reformas, disse que o fracasso da manifestação ajuda o governo. “Num primeiro momento, eu acho que as consequências serão no sentido de fortalecer as reformas. porque, quando essas atitudes são tomadas, você cria dificuldades para que as pessoas se dirijam ao seu trabalho”, disse. “A reforma trabalhista veio para dizer ao trabalhador: você é livre para fazer o acordo que você queira.”
Em nota, Temer afirmou que as greves “ocorreram livremente em todo o país”, mas disse que o “trabalho em prol da modernização da legislação nacional continuará, com debate amplo e franco, realizado na arena adequada para essa discussão, que é o Congresso Nacional”.
Em ato no bairro de Pinheiros, zona oeste de São Paulo, próximo à casa de Temer, o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Guilherme Boulos, um dos líderes do protesto, prometeu levar a manifestação ao Congresso. “Se não entenderem [as manifestações] vai ter convulsão social. Nós vamos tomar o Congresso, porque terra improdutiva tem que ser ocupada para ter função social”, afirmou no protesto.
Pelo país, havia pouca gente nas manifestações. O maior ato ocorreu no Largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, onde os organizadores disseram ter reunido 70 mil pessoas – a PM não fez estimativa. Mas foi neste ato que ocorreu um dos maiores tumultos da greve geral, com uma batalha campal entre policiais militares e manifestantes que tentaram chegar à casa de Temer no Alto de Pinheiros, um bairro de altíssimo padrão.
A PM impediu o acesso com bombas de gás lacrimogênio, bombas de efeito moral, balas de borracha e jatos de água. Os manifestantes responderam com paus, pedras e outros objetos atirados contra os policiais.
Para juntar o seu arsenal, os manifestantes arrancaram concretos de calçadas, quebraram placas de trânsito e retiraram pedaços de madeira de algumas casas. Também quebraram vidraças, agências bancárias e ao menos um restaurante.
Segundo a Secretaria da Segurança Pública, 36 manifestantes foram presos em todo o estado de São Paulo, sendo 21 na capital.

Rio

Outro confronto violento ocorreu no centro do Rio de Janeiro, com a PM e manifestantes usando o mesmo arsenal do enfrentamento em São Paulo – bombas de gás e balas de borracha do lado policial; paus, pedras e pedaços de madeira, além de barreiras de fogo nas vias.
Protestos no RJ durante a Greve Geral
Ônibus são queimados durante os protestos no Rio de Janeiro contra as reformas da previdência e trabalhista do governo Michel Temer – 28/04/2017 (Ricardo Moraes/Reuters)
O protesto ocorreu principalmente no entorno da Assembleia Legislativa do Rio e deixou o trânsito da região totalmente parado entre o final da tarde e o início da noite. Parte do comércio fechou as portas. Na Avenida Rio Branco, várias agências bancárias foram depredadas. Além de carros e lojas, pelo menos oito ônibus foram incendiados pelos manifestantes.
“Com esse tipo de ataque, os veículos – que não têm seguro (as seguradoras não fazem apólices para ônibus) – são inteiramente descartados”, disse em nota a Fetranspor (Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro).
Em São José dos Campos, interior de São Paulo, um motorista foi preso após atropelar manifestantes que bloqueavam a marginal da rodovia Presidente Dutra. Duas jovens atingidas pelo veículo ficaram feridas e levadas pelos bombeiros a um pronto-socorro na cidade.
O motorista, que após ser parado, deu ré e avançou sobre o grupo para furar o bloqueio, foi perseguido na rodovia e detido por policiais rodoviários. Ele foi levado para uma delegacia da Polícia Civil, prestou depoimento e foi liberado.
Em Pernambuco, um motorista de uma Kombi atropelou e matou um motociclista ao tentar desviar de um bloqueio feito por manifestantes na BR-101, em Cabo de Santo Agostinho.
(Com Estadão Conteúdo, Reuters e Agência Brasil)

Gilmar Mendes manda soltar Eike Batista

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, mandou soltar nesta sexta-feira o empresário Eike Batista, preso no final de janeiro na Operação Eficiência, um desdobramento da Operação Lava Jato. O empresário é réu na Justiça Federal do Rio por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
De acordo com a decisão do ministro, Eike deverá ser solto se não estiver cumprindo outro mandado de prisão. Caberá ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal no Rio de Janeiro, avaliar se o empresário será solto e aplicar medidas cautelares.
Segundo as investigações, Eike teria repassado US$ 16,5 milhões em propina ao ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), por meio de contratos fraudulentos com o escritório de advocacia da mulher de Cabral, Adriana Ancelmo, e uma ação fraudulenta que simulava a venda de uma mina de ouro, por intermédio de um banco no Panamá. Em depoimento à PF, Eike confirmou o pagamento para tentar conseguir vantagens para as empresas do grupo EBX, presididas por ele.
No habeas corpus, a defesa de Eike Batista alegou que a prisão preventiva é ilegal e sem fundamentação. Para os advogados, a Justiça atendeu ao apelo midiático da população .
“Nada mais injusto do que a manutenção da prisão preventiva de um réu, a contrapelo da ordem constitucional e infraconstitucional, apenas para satisfazer a supostos anseios de justiçamento por parte da população, os quais, desacoplados do devido processo legal, se confundem inelutavelmente com a barbárie”, argumenta a defesa.
(Com Agência Brasil)
VEJA

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Operação da PF: Almeida Lima teria recebido repasse de 100 000 reais



A Operação Satélite 2, que levou a Polícia Federal às ruas hoje, trouxe para a superfície um personagem que havia sumido do cenário político nacional, o ex-senador e ex-deputado federal Almeida Lima, hoje secretário estadual de Saúde em Sergipe.
Não por acaso os agentes cumpriram manado de busca e apreensão em endereços ligados à excelência.

 As investigações identificaram um repasse de aproximadamente 100 000 reais a Almeida Lima.
VEJA AQUI o mandado de busca e apreensão

VEJA O MANDADO DE FACHIN: PF faz busca e apreensão na casa de Almeida Lima



Agentes da Polícia Federal cumpriram na manhã desta sexta-feira, 28, Mandado de Busca e Apreensão na residência do secretário de Estado de Saúde, Almeida Lima.

VEJA O MANDADO

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Filho de ex-prefeito preso ao transportar armas de fogo, 300 munições e drogas



A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu no final da noite de ontem (26) dois homens quando transportavam armas de fogo, grande número de munições, além de entorpecentes e anabolizantes em Vitória da Conquista/BA. Ação ocorreu por volta de 23h30, no KM 830 da BR 116, trecho localizado na região sudoeste da Bahia, durante abordagem a um veículo GM/Cobalt.

Ao fiscalizar o veículo, os policiais encontraram escondidos dois silenciadores de arma de fogo, três pistolas sendo duas de calibre .40 e uma outra de calibre .380, além de 300 munições dentre elas 50 do tipo 9mm. Ainda durante as verificações, foram encontrados 12 kg de substância análoga ao crack e 02 kg de substância análoga à cocaína além de 300 comprimidos, 03 frascos e 12 ampolas, todos de anabolizantes.

Questionado pelos PRFs, o condutor e passageiro informaram que adquiriram o material na fronteira com o Paraguai e seguiam com destino à cidade de Lagarto/SE. O condutor informou ainda que é funcionário público e que havia alugado o veículo em Aracaju/SE.

Foi dada voz de prisão aos dois ocupantes do veículo e encaminhados com o material apreendido para a delegacia de polícia judiciária local.

O veículo era conduzido por Lúcio Flávio da Conceição Leal. Ele tinha em sua companhia Fábio José Santos Evangelista. Os dois, do Estado de Sergipe.
Lúcio Flávio é funcionário público (analista da Receita Federal lotado em Aracaju) e filho de um ex-prefeito de Macambira.


segunda-feira, 24 de abril de 2017

Delação premiada de Palocci seria 'verdadeiro terremoto', afirma líder do PT na Câmara

Delação premiada de Palocci seria 'verdadeiro terremoto', afirma líder do PT na Câmara
Foto: José Cruz / Agência Brasil
O líder do PT na Câmara dos Deputados, Carlos Zarattini (SP), avalia uma eventual delação premiada de Antônio Palocci seria um "verdadeiro terremoto". Em entrevista a Veja, o parlamentar disse que o ex-ministro dos governos Lula e Dilma pode trazer informações relevantes especialmente sobre o meio empresarial.  “Não sabemos exatamente o que ele pretende, mas, com certeza, se ele falar sobre o que tem conhecimento, o Brasil vai sofrer um verdadeiro terremoto no meio empresarial”, disse Zarattini. “A gente tem certeza que ele tem muito para falar, inclusive sobre os grandes grupos econômicos brasileiros, o capital financeiro, os grandes bancos e as grandes redes de comunicação“, completou. Em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, na semana passada, Palocci indicou que está disponível para ajudar nas investigações da Operação Lava Jato. “Fico à sua disposição hoje e em outros momentos, o dia que o senhor quiser. A pessoa que o senhor determinar eu apresento todos os fatos com nomes, endereços, operações realizadas. Coisas que, certamente, serão do seu interesse e da Lava Jato", declarou.


Exército teria sido sondado para decretar estado de defesa antes de impeachment

Exército teria sido sondado para decretar estado de defesa antes de impeachment
Foto: Tiago Correa / CMM
O Exército Brasileiro foi procurado por parlamentares de esquerda sobre a possibilidade de implantar um estado de defesa antes do impeachment de Dilma Rousseff. Foi o que contou o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, durante entrevista dada para a revista Veja. De acordo com Villas Bôas, a instituição foi sondada para decretar o estado de defesa nos dias anteriores ao impeachment. O exército possui uma assessoria parlamentar no Congresso que foi sondada por políticos de esquerda. O exército, dentre outros poderes, poderia ser empregado para conter as manifestações que ocorriam contra a então presidente Dilma Rousseff.  O Ministério da Defesa teria realizado uma planilha com os possíveis cenários caso o estado fosse decretado e quais seriam as consequências de cada um. “Foi [um documento] feito no Ministério da Defesa e ficou lá. Todos com quem eu tratei desse assunto tiveram a mesma compreensão que eu - de que era totalmente descabida e perigosa a decretação do estado de defesa”, afirmou o general.  O comandante do Exército afirmou que a instituição agiu sendo “um protagonista silencioso”, tendo como base três pilares: a estabilidade, a legalidade e a legitimidade. “Tínhamos de preservar uma imagem de isenção e imparcialidade porque, caso fôssemos empregados, não poderíamos ser identificados como tendentes a um ou outro lado”, afirmou Villas Bôas. O estado de defesa é decretado pela presidência da República em caso de “grave instabilidade institucional” e busca a preservação ou reestabelecimento da ordem pública e da paz social. O estado tem a duração total de 30 dias, que são prorrogáveis. Caso o estado fosse decretado, alguns direitos dos cidadãos são suspensos, como o sigilo de correspondência, de comunicação telegráfica e telefônica e o direito de reunião. Determinados prédios públicos também poderiam vir a ser desapropriados para atender desabrigados. 

MATÉRIA DO BAHIA NOTÍCIAS

PFC-Cajazeiras inova e transmite por conta própria jogos da Série B baiana pelo Facebook

por Matheus Caldas


PFC-Cajazeiras inova e transmite por conta própria jogos da Série B baiana pelo Facebook
Foto: Reprodução / Facebook / PFC-Cajazeiras
No contexto de um mundo globalizado, no qual os clubes de futebol precisam explorar suas marcas de diversas formas, o PFC-Cajazeiras, um dos caçulas do futebol baiano, inovou. No triunfo por 3 a 1 sobre o Colo Colo, no último sábado (15), pela estreia da Série B estadual, o clube transmitiu a partida ao vivo pelo Facebook. Aproximadamente três mil pessoas assistiram aos dois vídeos que veicularam o duelo.

Diretor de futebol da agremiação, Igor Manassés crê que a ideia do Cajazeiras vem para atenuar a situação crítica que a maioria dos clubes pequenos do país vive. Excetuando os campeonatos de maior apelo popular do país, competições como a divisão estadual da Bahia não possuem transmissão de seus jogos. “É uma questão de tempo. Quando mais visibilidade e divulgação os clubes pequenos tiverem, mais oportunidades terão. Hoje, o futebol tem sido negócio. Nós chegamos realmente como um negócio, como uma empresa. Quanto mais colocarmos o Cajazeiras na mídia, a oportunidade de patrocínio e parceiros chegarem é questão de tempo”, avaliou, em entrevista ao Bahia Notícias.

No país, o clube baiano é realmente um dos pioneiros na procura de novas formas de explorar sua marca e transmitir suas partidas. No início deste ano, Atlético-PR e Coritiba entraram em rota de colisão com a federação local e se recusaram a iniciar a partida – a entidade proibiu a transmissão do duelo pelo Youtube, alegando falta de credenciamento dos profissionais do site. Ambos os clubes não chegaram a um acordo com a detentora dos direitos do Campeonato Paranaense por julgarem os valores pagos como baixos (leia mais aqui).

Posteriormente, a partida aconteceu, foi veiculada pelos canais das duas agremiações e o Furacão venceu por 2 a 0.

Para o dirigente do Cajazeiras, o crescimento e a personalização da tecnologia devem ser cada vez mais aliados do futebol. “Eu acredito que sim, até porque, com a modernidade do dia a dia, você vê uma pessoa com um aparelho celular na mão. Isso, eu falo de qualquer lugar, ônibus, restaurante... É muito mais fácil você entrar na vida das pessoas. Nosso trabalho é muito pesado nesse aspecto”, pontuou.

Na primeira experiência na plataforma digital, Manassés revelou ter se surpreendido com o alcance do jogo. Durante a transmissão, ele fez os comentários e David foi o narrador. A tendência é que a partir de agora todos os jogos sejam transmitidos. O intuito é trazer torcedores para a o PFC. “Queremos criar uma cara para o time, para que tenhamos torcida e eles compareçam e vistam a camisa. A proposta é divulgar o clube. Nosso investimento todo tem sido para isso”, disse.

Na primeira experiência como comentarista, o também ex-jogador garantiu que a diretoria já investe em melhorias para a qualidade das transmissões. “Foi tudo muito em cima da hora. Já compramos alguns outros equipamentos e estamos investindo nessa área. É um clube grande. Queremos partir também para outros esportes. Somos investidores e queremos expandir esses investimentos”, explicou. 

Ele também é presidente da empresa On Soccer Brazil, que já investiu em clubes como Jacobina e Galícia e, desta vez, partiu para o projeto próprio.

A próxima partida a ser veiculada no Facebook acontecerá neste sábado (23). O adversário será o Jequié, às 17h, em Pituaçu.

Confira abaixo o segundo tempo da partida contra o Colo Colo:


Youtube e Facebook: Atletiba da final do Paranaense terá transmissão exclusiva via Youtube e Facebook

Atletiba da final do Paranaense terá transmissão exclusiva via Youtube e Facebook
Foto: Reprodução / Tribuna PR
Rivais dentro de campo, Atlético-PR e Coritiba continuam unidos na queda de braço contra a Globo, dona dos direitos de transmissão do Campeonato Paranaense. Por isso, a final do estadual, que colocará as duas equipes frente a frente, terá transmissão via YouTube e Facebook.

À reportagem da Espn, o presidente do Conselho Deliberativo do Furacão, Mario Cesar Petraglia, garantiu que os clubes seguirão a linha de transmissão. "Nenhuma chance! Repetiremos o modelo", resumiu.

?Pelo lado do Coxa, havia uma corrente que defendia uma retomada das conversas com a emissora. No entanto, esse grupo perdeu força. Um dos motivos é que, pelo bom relacionamento das diretorias, é necessário um acordo entre ambos os clubes.

A atitude das agremiações no Paraná deram espaço a outros clubes para transmitirem suas partidas pelas redes sociais. Na Bahia, há o caso do PFC-Cajazeiras (entenda aqui).

O primeiro duelo da final acontecerá neste domingo (30), na Arena da Baixada, às 16h.

BAHIA NOTÍCIAS

Destaque em Esportes: Fifa reserva receitas da Copa para enfrentar Justiça e multas

por Jamil Chade | Estadão Conteúdo

Fifa reserva receitas da Copa de 2014 para enfrentar Justiça e multas
Foto: Fernanda Varela / Correio

A Fifa está reservando um total de US$ 261 milhões (cerca de R$ 821 milhões) obtidos como renda da Copa do Mundo de 2014 no Brasil para enfrentar uma série de processos e pagar pesadas multas que corre o sério risco de receber em diferentes tribunais.

Diante da dificuldade em conquistar novos contratos de patrocínio, analistas que fizeram um "pente fino" nas contas da Fifa nos últimos anos e apontaram que será essa reserva acumulada ainda pelo torneio no Brasil que pode salvar a entidade da falência, caso seja condenada.

Os dados fazem parte do informe financeiro da entidade que, pela primeira vez, revela detalhes sobre as pendências que a Fifa ainda tem com fornecedores no Brasil, com advogados, disputas ainda sobre ingressos, impasses com fornecedores e mesmo com casos de corrupção.

Os detalhes não são revelados pela entidade sobre em quais casos terá de arcas com multas ou penalidades. Os valores são mantidos para "cobrir vários assuntos legais com relação aos negócios centrais da Fifa". "Nenhuma informação pode ser dada por enquanto, já que disputas legais são assuntos sensíveis", indicou o informe da entidade.

A Fifa aponta que reservas são feitas e "reconhecidas" quando "uma obrigação surge de um evento passado". "É provável que a Fifa seja exigida a pagar essa obrigação e uma estimativa confiável pode ser feita sobre o valor dessa obrigação".

A Copa de 2014 foi a mais rentável da história da entidade, com lucros de mais de US$ 5 bilhões. Naquele momento, a Fifa chegou a prometer que daria US$ 100 milhões para a CBF como legado. Mas as suspeitas de irregularidades na entidade brasileira ainda impedem que o dinheiro seja liberado.

Mas o que mudou de forma dramática as contas da entidade foi a prisão de cartolas, a partir de maio de 2015. Se há alguns anos a Fifa nadava em dinheiro e distribuía presentes luxuosos a seus dirigentes, os novos números financeiros da entidade revelam uma situação bastante diferente. As perdas foram de US$ 369 milhões em 2016. Em 2015, o prejuízo foi de US$ 112 milhões e, para 2017, o buraco deverá ser ainda maior.

A entidade, que tem sua renda dependente basicamente da Copa do Mundo, espera reverter tudo isso com o Mundial de 2018, na Rússia, onde prevê uma receita de US$ 5,5 bilhões. Mas, dos 34 patrocinadores que esperava fechar, hoje conta com apenas dez deles. Entre seus dirigentes, poucos escondem que a crise é uma das mais sérias de sua história.

De acordo com o balanço financeiro da entidade, mais de US$ 70 milhões foram gastos pela Fifa apenas para pagar advogados na tentativa de se defender de processos nos Estados Unidos e na Suíça. Outros US$ 50 milhões foram gastos em custos com tribunais.

Para fazer frente a essa crise, a Fifa está retirando dinheiro de suas reservas estratégicas, criadas apenas para tempos de dificuldades. Hoje, elas estão em US$ 1 bilhão. Mas devem cair para US$ 600 milhões ao final do ano.

RIBEIRA DO AMPARO: Kombi pega fogo e deixa estudantes apavorados

Estudantes e moradores levaram um susto na manhã desta segunda-feira (24), nas proximidades do povoado São Bento, em Ribeira do Amparo. A kombi em que eles estavam pegou fogo e foi destruída pelas chamas. Estudantes que seguiam para o turno da manhã, saíram rapidamente do veículo e por sorte ninguém ficou ferido.

A kombi estava a serviço da prefeitura municipal de Ribeira do Amparo. 


FOTO: MORADORES / VIA WHATS 




sábado, 22 de abril de 2017

Doria constrange Soninha com demissão via Youtube

Resultado de imagem para Doria constrange Soninha com demissão via Youtube

Conhecido pelo uso recorrente das redes sociais para propagar suas ações, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), divulgou um vídeo em seu canal no Youtube para anunciar a demissão da secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Soninha Francine (PPS). Na gravação, Doria aparece sorridente ao lado de Soninha, que mantém a expressão fechada durante todo o tempo e demonstra constrangimento com a situação, sem dar qualquer declaração.
Ele afirma que precisa dar uma “força maior” à pasta e que Soninha não tem o perfil adequado para o cargo e, por isso, será substituída pelo seu adjunto, Filipe Sabará. O tucano diz que pretende dar ritmo mais intenso, com a execução de obras, às ações da secretaria. “Tudo isso exige uma demanda que não está dentro do espírito da Soninha”, declara. “Não tive nenhuma decepção, ela continua a mesma Soninha que eu sempre gostei”, acrescenta.
De acordo com o prefeito, a ex-secretária fará parte do Conselho de Gestão da Secretaria e voltará à Câmara Municipal. No início do ano, Doria repreendeu publicamente a auxiliar depois que ela se atrasou para um evento com ele.
Vereadora pelo PT entre 2005 e 2007, Soninha se filiou ao PPS em 2007. Desde então, participou de governos de Gilberto Kassab (PSD) e Geraldo Alckmin (PSDB) e editou o site oficial do então candidato à Presidência José Serra (PSDB) em 2010.

 CONGRESSO EM FOCO

Ministro da Justiça demite presidente da FUNAI por não nomear 25 pessoas indicadas por André Moura

Com o aval do presidente Michel Temer (PMDB), o ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB), decidiu demitir o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Antônio Fernandes Toninho Costa, e substituí-lo por um representante da bancada ruralista no Legislativo. A demissão foi exigida pelo líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), porque o presidente da entidade responsável pela gestão das terras indígenas não aceitou nomear 25 pessoas indicadas por ele desde que a nova direção da Funai tomou posse.
Serraglio demitiu presidente da Funai por não ter acatado lista de contratação indicada por André Moura (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Serraglio demitiu presidente da Funai por não ter acatado lista de contratação indicada por André Moura (foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
A decisão política de demitir Antônio Costa foi tomada por Serraglio na quarta-feira (19), data em que se comemora o Dia do Índio, e assustou o presidente da Funai. Os 25 nomes impostos por André Moura para serem contratados pela Funai não são de carreira do órgão. O deputado exigiu que fossem nomeados nas áreas de finanças e de gestão da fundação. Alguns nomes que o ministro Serraglio deve confirmar vão ocupar superintendências em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, Roraima e em Mato Grosso do Sul.
Além de André Moura, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), do mesmo partido de Serraglio, também pressionou para a contratação dos 25 assessores especiais da Funai. Os dois deputados ganharam a chancela do presidente nacional do Partido Social Cristão, pastor Everaldo Pereira. As ameaçam começaram no segundo dia da gestão de Antônio Costa. Como o presidente da Funai não acatou o pedido, sofreu ameaças do deputado que, com o dedo em riste, gritou que o era o “dono” do cargo.
Candidato à presidência da República em 2014, o pastor apareceu nas delações de Marcelo Odebrecht, principal executivo e filho do dono da empreiteira, como beneficiário de R$ 6 milhões para que atuasse a favor do então candidato do PSDB à presidência, senador Aécio Neves (MG), nos debates da TV Globo durante a campanha. Segundo a Procuradoria-Geral da República, Everaldo foi orientado pela empreiteira e pelos marqueteiros do tucano para fazer perguntas que beneficiassem Aécio nos debates e atingissem a então concorrente Dilma Rousseff (PT).
assessoria do ministério da Justiça informa que Osmar Serraglio não tratou do assunto com o presidente da Funai. O Congresso em Foco fez contato com as assessorias dos deputados Andre Moura e Marum mas ainda não obteve resposta.
por Congresso em Foco / SE NOTÍCIAS

Patrocinadora do Palmeiras usa imagem do Papa sem autorização em propaganda, e Vaticano cogita ir à Justiça

Propaganda da Crefisa em jornal de São Paulo usa imagem do Papa Francisco (Foto: reprodução )

Propaganda da Crefisa em jornal de São Paulo usa imagem do Papa Francisco (Foto: reprodução )


Vaticano cogita ir à Justiça contra a Crefisa, patrocinadora do Palmeiras, por conta do uso não autorizado da imagem do Papa Francisco num anúncio publicitário da financeira. A informação é do canal ESPN Brasil.
Há duas semanas, o pontífice recebeu, das mãos de um dirigente palmeirense, uma camisa personalizada do Verdão. Fotos do evento foram usadas numa propaganda da Crefisa no jornal O Estado de S. Paulo, dias depois, com a frase "O Papa Francisco entrou para a Família Palmeiras e abençoou o manto. Avanti Palestra!"
– Isto é um uso não autorizado da imagem do Papa – disse Greg Burke, porta-voz do Vaticano, em entrevista à ESPN.
– A Santa Sé poderia tomar uma atitude legal – completou, lembrando ainda que a imagem "claramente é oposta à forma como o Papa pensa".
O Palmeiras avisou que não vai se pronunciar sobre o assunto. A assessoria de imprensa da Crefisa diz que a empresa não tomou conhecimento da reclamação do Vaticano e, portanto, não tem o que comentar.

Por GloboEsporte.com, São Paulo

NA ESTRADA DA VIDA

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

FRAM MARQUES

Minha foto

MINHA PÁGINA:

MEU GRUPO: 

MEU SITE:

SIMPLES ASSIM...

HOJE APRENDI QUE VIVER É SER LIVRE, QUE TER AMIGOS É NECESSÁRIO, APRENDI QUE O TEMPO CURA, QUE LUTAR É MANTER-SE VIVO, QUE DECEPÇÃO NÃO MATA, QUE HOJE É REFLEXO DO ONTEM, QUE VERDADEIROS AMIGOS PERMANECEM QUE A DOR FORTALECE, QUE A BELEZA NÃO ESTA NO QUE TEMOS, MAS SIM NO QUE SENTIMOS! , E QUE O SEGREDO DA VIDA É VIVER,

LUTE, SONHE, PERDOE, CONQUISTE CADA SEGUNDO, POIS,
NA VIDA NÃO HÁ RETORNOS:
SÓ RECORDAÇÃO.

SE ALGUM DIA ALGUÉM LHE DISSER QUE SEU TRABALHO NÃO É DE UM PROFISSIONAL, LEMBRE-SE:
AMADORES CONSTRUÍRAM A ARCA DE NOÉ E PROFISSIONAIS CONSTRUÍRAM O TITANIC.
PORTANTO, ANTES DE RECLAMAR, LEMBRE-SE, NÃO SOU PERFEITO, MAS PROCURO A PERFEIÇÃO.




FRAM MARQUES

AS MAIS COMPARTILHADAS NA REDE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA