Seguidores Vip

SEGUIDORES VIP

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

PT levou até US$ 200 milhões de propina em contratos da Petrobras, diz delator

O ex-gerente de Serviços da Petrobras Pedro Barusco estimou, em depoimento concedido àPolícia Federal em acordo de delação premiada, que o PT recebeu de propina em contratos da estatal uma quantia entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões. Segundo Barusco, esses valores se referem a propina em 90 contratos da estatal com grandes empresas fechados entre 2003 e 2013, durante os governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. O depoimento de Barusco foi dado em novembro e divulgado no andamento processual da Operação Lava Jato nesta quinta-feira (5).
Também nesta quinta foi deflagrada a nona fase da operação, em que a PF cumpriu 40 mandados de busca e apreensão, três de prisão temporária, um de prisão preventiva e 18 de condução coercitiva (quando a pessoa é levada para prestar depoimento e depois é liberada).
Em um desses mandados, o tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, foi levado para prestar depoimento da superintendência da PF em São Paulo. Ele saiu sem falar com a imprensa.
Na delação, Barusco  citou também que havia a participação de Vaccari no recebimento das propinas.
"[Pedro Barusco] estima que foi pago o valor aproximado de US$ 150 a 200 milhões ao Partido dos Trabalhadores, com a participação de João Vaccari Neto", diz o documento da Justiça Federal que registra o depoimento de Barusco.
No depoimento, Barusco explicou como funcionava o pagamento e a divisão da propina nos contratos. Segundo o delator, o percentual de propina cobrado variava entre 1% e 2%, dependendo da diretoria pela qual o contrato era firmado.
Em todas as diretorias, segundo Barusco, o PT ficava com metade da propina. Ele disse ainda que esse dinheiro irregular que ia para o partido era distribuído ora para Vaccari, ora para Renato Duque, ora para o próprio Barusco, que faziam o repasse para outros agentes do esquema.
"Houve pagamento de propinas em favor do declarante [Barusco] e de Renato Duque, bem como em favor de João Vaccari Neto, representando o Partido dos Trabalhadores - PT -, a partir do momento em que este se tornou tesoureiro do partido e passou a operar em favor do mesmo", diz o registro do depoimento.
Na delação premiada, o ex-gerente daPetrobras disse que Renato Duque tinha um contato “muito forte” com João Vaccari. Segundo Barusco, o ex-diretor da estatal e o tesoureiro do PT costumavam se encontrar no Hotel Windsor Copacabana, no Rio de Janeiro, e no Meliá, da Alameda Santos, em São Paulo.
O delator também contou aos policiais federais que Vaccari mantinha contato com Duque para saber do andamento dos contratos na Petrobras e tratar de novos contratos. De acordo com ele, nos encontros eles também falavam sobre o pagamento de propinas.
Ao G1, o advogado de Renato Duque, Alexandre Lopes disse que Barusco mentiu na delação premiada.
“O senhor Pedro Barusco mentiu, no que tange a Renato Duque, em suas declarações. Pedro Barusco trouxe Renato Duque para o processo, realizando delação falaciosa, com a intenção de ser agraciado pela Justiça com um prêmio, que é o de permanecer em liberdade, apesar de ter confessado inúmeros crimes. Malgrado todas as suas assertivas, não apresentou ao Ministério Público Federal nenhuma prova contra Renato Duque, o que demonstra a fantasia das acusações”, afirmou o advogado.
Por meio de nota, a assessoria de imprensa do PT informou que o partido "recebe apenas doações legais e que são declaradas à Justiça Eleitoral". Para o PT, as declarações de Barusco não merecem crédito porque, segundo a nota, "têm como principal característica a tentativa de envolver o partido em acusações, mas não apresentam provas ou sequer indícios de irregularidades".
Em Belo Horizonte, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse que todas as acusações contra seu partido serão "desmentidas". Questionado sobre quem desmente as denúncias, o dirigente petista se limitou a dizer que os fatos irão desmenti-las.
O advogado de Vaccari Neto, Luiz Flávio Borges D’Urso, afirmou por meio de nota que o PT não tem caixa dois nem conta no exterior. Segundo D'Urso, o partido só recebe contribuições legais e não recebe doações em dinheiro.
Com gabinete no Palácio do Planalto, o ministro de Relações Institucionais, Pepe Vargas, disse nesta quinta-feira, em Brasília, que o fato de o tesoureiro do PT ter sido levado para prestar depoimento na Polícia Federal em razão da nova etapa da Operação Lava Jato “não cria constrangimento” para o governo.
“Para o governo, não cria constrangimento algum. Agora, se houve algum envolvimento de uma pessoa do PT, o PT vai ter que tomar as atitudes que devem ser tomadas. Vamos aguardar os desdobramentos desses episódios”, enfatizou.

Área Internacional
Barusco afirmou ainda que  "excepcionalmente" o ex-diretor da área Internacional Jorge Zelada também recebia parte da propina..
É a primeira vez que o nome de Zelada aparece em uma delação da Operação Lava Jato. Até agora, o nome dele só havia sido citado na CPI da Petrobras. Zelada era auxiliar na diretoria Internacional na época em que a área era comandada por Nestor Cerveró, ex-diretor preso na Lava Jato.
Barusco revelou ainda que organizava os pagamentos "mediante uma contabilidade".
Na delação, o ex-gerente negou que se as propinas não fossem pagas haveria represália aos empreiteiros. Barusco afirmou que o “pagamento de propinas dentro da petrobras era lago endêmico e institucionalizado”.
Ao G1, o advogado Eduardo de Moraes, responsável pela defesa de Zelada, disse que seu cliente jamais, nem “excepcionalmente”, recebeu recursos financeiros de Pedro Barusco. Segundo o defensor, são "inverídicas" as referências ao nome de Zelada nos depoimentos do ex-gerente da Petrobras.
"Ao longo da trajetória profissional de Jorge Zelada, na Petrobras, nunca recebeu propina", ressaltou o advogado por meio de nota.
Dinheiro para campanha
Barusco também mencionou que Duque pediu à empresa SBM, um dos alvos de investigação da Operação Lava Jato, US$ 300 mil como "reforço" para a campanha eleitoral de 2010.
“[Barusco disse]  que Renato de Souza Duque solicitou ao representante da SBM, Julio Faerman, a quantia de US$ 300 mil dólares a título de reforço de campanha durante as eleições de 2010, provavelmente atendendo a pedido de João Vaccari Neto, o que foi contabilizado pelo declarante à época como pagamento destinado ao Partido dos Trabalhadores PT”, diz trecho documento disponibilizado no sistema eletrônico da Justiça Federal.
  •  
Arte 9ª Fase da Operação Lava Jato  (Foto: Editoria de Arte G1)

Colaborou o G1-PR
Lucas Salomão e Camila BomfimDo G1, em Brasília, e da TV Globo*




Postar um comentário

NA ESTRADA DA VIDA

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

FRAM MARQUES

Minha foto

MINHA PÁGINA:

MEU GRUPO: 

MEU SITE:

SIMPLES ASSIM...

HOJE APRENDI QUE VIVER É SER LIVRE, QUE TER AMIGOS É NECESSÁRIO, APRENDI QUE O TEMPO CURA, QUE LUTAR É MANTER-SE VIVO, QUE DECEPÇÃO NÃO MATA, QUE HOJE É REFLEXO DO ONTEM, QUE VERDADEIROS AMIGOS PERMANECEM QUE A DOR FORTALECE, QUE A BELEZA NÃO ESTA NO QUE TEMOS, MAS SIM NO QUE SENTIMOS! , E QUE O SEGREDO DA VIDA É VIVER,

LUTE, SONHE, PERDOE, CONQUISTE CADA SEGUNDO, POIS,
NA VIDA NÃO HÁ RETORNOS:
SÓ RECORDAÇÃO.

SE ALGUM DIA ALGUÉM LHE DISSER QUE SEU TRABALHO NÃO É DE UM PROFISSIONAL, LEMBRE-SE:
AMADORES CONSTRUÍRAM A ARCA DE NOÉ E PROFISSIONAIS CONSTRUÍRAM O TITANIC.
PORTANTO, ANTES DE RECLAMAR, LEMBRE-SE, NÃO SOU PERFEITO, MAS PROCURO A PERFEIÇÃO.




FRAM MARQUES

AS MAIS COMPARTILHADAS NA REDE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA