Gilvan Maq-Peças

Gilvan Maq-Peças
Tobias Barreto - Sergipe

TOCA DO ÍNDIO

TOCA DO ÍNDIO
DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS

domingo, 30 de outubro de 2016

Edvaldo Nogueira, do PCdoB, é eleito prefeito de Aracaju

ARACAJU (SE): Eliane Aquino (PT) e Edvaldo Nogueira (PCdoB) comemoram a vitória no 2º turno (Foto: Tássio Andrade/G1)Eliane Aquino (PT) e Edvaldo Nogueira (PCdoB) comemoram a vitória no 2º turno (Foto: Tássio Andrade/G1)
Edvaldo Nogueira (PCdoB) foi eleito neste domingo (30) prefeito de Aracaju para os próximos quatro anos. Com 100% das urnas apuradas, ele teve 146.271 votos, o que corresponde a 52,11% dos votos válidos, contra 134.435 de Valadares Filho (PSB), equivalente a 47,89% (veja a apuração completa e a apuração por zona eleitoral). Todas as 1.118 urnas eletrônicas terminaram de ser apuradas às 18h40 (horário local).
Raio x Aracaju (Foto: Reprodução/TV Sergipe)
A capital sergipana tem 397.228 eleitores apto a votar. Com 100% das urnas apuradas, a abstenção foi de 75.253 (18,94%), brancos 8.563 (2,66%) e nulos 32.706 (10,16%).
GALERIA DE FOTOS: veja as imagens da cobertura do 2º turno da eleição na capital.
A vitória marca o retorno de Edvaldo Nogueira à prefeitura da capital sergipana quatro anos após deixar o comando da cidade. Desde então, o gestor era João Alves Filho (DEM) que encerrará o mandato em dezembro.
Em conversa com a equipe de reportagem do G1, Edvaldo Nogueira falou sobre os obstáculos a serem superados na nova gestão. "O nosso maior desafio é reconstruir a cidade que enfrentou muitos problemas, principalmente na área da saúde. Vamos nos empenhar para rapidamente recuperar as unidades básicas de saúde e colocar o salário dos servidores em dia e a população ter acesso a uma saúde de qualidade. Vamos fazer o levantamento das dívidas e dos problemas que se acumulam na nossa cidade”, revelou o prefeito eleito de Aracaju.
ARACAJU (SE): Edvaldo Nogueira comemora a vitória nos braços de seus eleitores (Foto: Tassio Andrade/G1)ARACAJU (SE): Edvaldo Nogueira comemora a vitória nos braços de seus eleitores (Foto: Tassio Andrade/G1)
ARACAJU (SE): Festa da vitória ocupou os dois sentidos da Av. Barão de Maruim (Foto: Tássio Andrade/G1)Festa da vitória ocupou os dois sentidos da Av. Barão de Maruim (Foto: Tássio Andrade/G1)
















Virada
Na liderança no primeiro turno e com cerca de 1,7 mil votos a mais que o adversário Valadares Filho (PSB) na eleição do dia 2 de outubro, as pesquisas do segundo turno o colocavam em empate técnico com adversário se considerada a margem de erro, mas sempre com menos que Valadares. Na eleição deste domingo (30), Edvaldo venceu de virada e com cerca de 11,8 mil votos a mais.
"Eu atribuo a virada ao seguinte fato: o povo de Aracaju pode perceber a diferença dos dois projetos e que nós queríamos fazer a cidade avançar. No meu mandato como prefeito eu mostrei e construí uma cidade com qualidade de vida e a população viu que nesse momento de crise era importante ter um prefeito com compromisso, por isso nós viramos a campanha. Estou muito feliz com a nossa vitória”, analisou Edvaldo.
ARACAJU (SE): Edvaldo Nogueira (PCdoB) falou sobre resultado da eleição e retorno à Prefeitura de Aracaju após quatro anos (Foto: Anderson Barbosa/G1)
Adicionar legenda
Edvaldo Nogueira (PCdoB) falou sobre resultado da eleição e retorno à Prefeitura de Aracaju após quatro anos (Foto: Anderson Barbosa/G1)
Momentos difíceis
Para o candidato do PCdoB, a campanha teve momentos difíceis. “No primeiro turno, nós lideramos as pesquisas e chegamos em primeiro lugar. No segundo turno, as pesquisas mostraram uma inversão, mas rapidamente recuperamos e fizemos essa virada. São momentos que você cresce, mas nós enfrentamos dificuldades e o resultado é a nossa vitória. Aracaju me conhece os aracajuanos sabem que podem contar comigo e principalmente com a minha capacidade como gestor”, garantiu.
Biografia
Edvaldo, 55 anos, foi um dos fundadores do PCdoB em Sergipe. Foi eleito vereador (1988) e reeleito (1992) em Aracaju. Foi eleito vice-prefeito da capital sergipana (2000) e reeleito (2004) junto com o então prefeito Marcelo Déda. Quando Déda se afastou para concorrer ao Governo, Edvaldo assumiu a prefeitura (2006). Foi reeleito prefeito em primeiro turno (2008).
ARACAJU (SE): Vencedores discursam em trio em frente ao comitê eleitoral da campanha de Edvaldo Nogueira (PCdoB) e Eliane Aquino (PT) (Foto: Anderson Barbosa/G1)Vencedores discursam em trio em frente ao comitê eleitoral da campanha de Edvaldo e Eliane
(Foto: Anderson Barbosa/G1)
Campanha
Em programas eleitorais das últimas semanas, Edvaldo destacou a experiência dele como prefeito de Aracaju e que estaria apto a ocupar a função novamente. Ele também analisou a atual administração de João Alves e o adversário do segundo turno, Valadares Filho (PSB).
Lembrança
“Hoje quando concluiu a apuração eu me lembrei de Marcelo Déda, que dizia que cada obra que a gente concluía significa um sorriso que as pessoas têm. E eu estou com isso na minha cabeça. Vou trabalhar para que o aracajuano volte a sorrir e que a nossa capital volte a ser a capital da qualidade de vida”, disse.
ARACAJU (SE): Comemoração da vitória de Edvaldo Nogueira (PCdoB) acontece na Avenida Barão de Maruim no Centro da capital (Foto: Anderson Barbosa/G1)Comemoração da vitória de Edvaldo Nogueira (PCdoB) acontece na Av. Barão de Maruim no Centro de Aracaju
(Foto: Anderson Barbosa/G1)

Propostas
Edvaldo prometeu em campanha reduzir o tempo de atendimento e de marcação de exames, implantar princípios da segurança alimentar e nutricional nas escolas, licitar o transporte público, fazer a integração temporal dos ônibus, revitalizar o Centro da cidade, valorizar o comércio dos bairros e finalizar os planos de Saneamento e de Drenagem Urbana, além de protagonizar ações de prevenção e policiamento comunitário em parceria da GMA com a PM e PC.
ARACAJU (SE):  Vice-prefeita eleita, Eliane Aquino (PT), comemora a vitória com abraço de apoiadora (Foto: Anderson Barbosa/G1)Vice-prefeita eleita, Eliane Aquino (PT), comemora a vitória com abraço de apoiadora
(Foto: Anderson Barbosa/G1)
Vice-prefeita
Esta foi a primeira vez que Eliane Aquino (PT) disputou um cargo eletivo e já foi eleita vice-prefeita. "O time do nosso estado e do nosso município foi sempre construído pensando na população e mais uma vez é isso que para mim o PT significa. As histórias de Marcelo Déda, Zé Eduardo Dutra, Conceição Vieira, de Márcio Macedo, Silvio Santos e de muita gente que passou a vida inteira lutando por causas sociais. Eu sei o quanto essa campanha foi difícil, o quanto eu sofri, mas a verdade prevaleceu. Em um momento desse, ainda é possível sonhar que o bem vence e é isso que eu estou sentindo agora, gratidão. Essa gratidão vai se reverter em muito trabaho", afirmou.
Eliane disse que também se preparou para perder. "O que viesse eu estaria grata. Estava um clima muito acirrado e eu estava preparada para ganhar ou perder. É muito saber que o nosso projeto é vitorioso.  Se Deus quiser vamos fazer com que as pessoas tenham muito orgulho da nossa história assim como a população sente orgulho do trabalho do Marcelo Déda. O que eu quero é exatamente isso, ser um pouquinho parecida com ele para ter o respeito da população”, disse a vice eleita.



ARACAJU (SE): O governador de Sergipe, Jackson Barreto (PMDB), analisa a vitória do seu apoiado Edvaldo Nogueira (PCdoB) (Foto: Tássio Andrade/G1)Governador de Sergipe, Jackson Barreto (PMDB),
analisa a vitória do seu apoiado Edvaldo Nogueira
(Foto: Tássio Andrade/G1)
Apoio
“A vitória de Edvaldo é a expectativa que Aracaju vai ter um prefeito para se preocupar com a periferia e também para mandar um recado para os adversários, nós continuamos vivos. Quem pensava que Jackson Barreto morreu se enganou”, disse o governador, Jackson Barreto (PMDB), durante visita ao prefeito eleito.
ARACAJU (SE): Valadares Filho (PSB) fala sobre derrota nas urnas e agradece os mais de 134 mil votos (Foto: Tássio Andrade/G1)Valadares Filho (PSB) fala sobre derrota nas urnas e
agradece os 134 mil votos (Foto: Tássio Andrade/G1)













"Cabe a mim nesse momento aceitar o resultado, foi a democracia que escolheu o resultado das urnas. Eu quero agradecer aos aracajuanos que confiaram o voto a nossa candidatura, a minha e a do nosso vice Pastor Antônio (PSC). Tivemos mais de 134 mil votos que eu quero do fundo do meu coração agradecer aos eleitores e aos apoiadores. Foi uma campanha muito bonita, foi uma campanha que eu falei a verdade e que eu falei aquilo que eu acreditava para o futuro da cidade”, avaliou o candidato derrotado, Valadares Filho (PSB).
Resultado completo das eleições para prefeito em Aracaju
Edvaldo Nogueira - 146.271 (52,11%)
Valadares Filho - 134.435 (47,89%)
Nulos - 32.706 (10,16%)
Brancos - 8.563 (2,66%)

Do G1 SE

Haddad pede doação pela internet para cobrir dívidas de campanha

O prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que foi candidato do PT à reeleição, postou vídeo pedindo colaboração para pagar despesas de campanha (Foto: Reprodução/Facebook/Fernando Haddad)O prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que foi candidato do PT à reeleição, postou vídeo pedindo colaboração para pagar despesas de campanha (Foto: Reprodução/Facebook/Fernando Haddad)
O prefeito de São PauloFernando Haddad (PT), publicou um vídeo no Facebook nesta terça-feira (18) em busca de contribuições de qualquer valor para cobrir os gastos de sua campanha à reeleição.
O prefeito foi derrotado no primeiro turno pelo candidato do PSDBJoão Doria. De acordo com os dados em sua página no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a campanha de Haddad arrecadou R$ 6,7 milhões, mas as despesas contratadas ultrapassam R$ 14,6 milhões. A diferença, portanto, é de R$ 8 milhões, dinheiro que precisa ainda ser arrecadado.
"A eleição acabou, mas a campanha ainda não. E para a gente continuar defendendo as nossas propostas pra educação, pra cidade, pro país, a gente precisa encerrar a campanha e essa campanha foi muito diferente do ponto de vista do financiamento. E nós temos ainda alguns profissionais que precisam receber pelo trabalho que fizeram, um trabalho dedicado ao longo da campanha, e para isso eu conto muito com a tua colaboração", diz Haddad, no video, pouco antes de indicar um link em que o internauta pode fazer a doação.
"Isso vai nos ajudar muito a quitar esses compromissos com esses profissionais e seguir a vida, porque a vida política não para."
Do G1 São Paulo

ELEIÇÃO EM NÚMEROS: Veja as vitórias mais fáceis e mais apertadas do segundo turno

PMDB termina com o maior nº de prefeitos; PSDB tem o maior crescimento entre os grandes

Desempenho dos partidos
Desempenho dos partidos
Desempenho dos partidos
Desempenho dos partidos
 
Por Thiago Reis


Com a definição de todos os vitoriosos no 2º turno, o PMDB termina a eleição de 2016 novamente como o partido com o maior número de prefeituras no país. São 1.038.


Entre os partidos grandes, no entanto, o PSDB é o grande vitorioso. O partido irá governar 803 cidades – 15,5% a mais que em 2012, quando venceu 695 disputas.


O PSD também registra um crescimento: de 498 prefeitos eleitos em 2012 para 540 agora.

O PT, que venceu 638 cidades em 2012 – no auge da popularidade de Lula e Dilma –, perdeu 60% delas. Agora, conquistou 254.



Nas capitais, o PSDB foi o que mais elegeu prefeitos. Serão sete: João Doria, em São Paulo, Firmino Filho, em Teresina, Zenaldo Coutinho, em Belém, Rui Palmeira, em Maceió, Artur Neto, em Manaus, Nelsoz Marchezan Jr., em Porto Alegre, e Dr. Hildon, em Porto Velho.

 

Desgastado pela Operação Lava Jato e pelo impeachment de Dilma, o PT elegeu apenas um prefeito em capital: Marcus Alexandre, em Rio Branco. Em 2012, foram quatro.


Se consideradas apenas as maiores cidades com país, com mais de 200 mil habitantes, o PSDB lidera com 28 prefeitos eleitos, contra 14 do PMDB, 6 do PPS e 5 do DEM e do PSB. O PT elegeu apenas um (o de Rio Branco).

 
Em municípios do interior, o PMDB também lidera, com 1.034, seguido pelo PSDB, PSD e PSB. O PSDB avançou em comparação com 2012 nessas cidades, passando de 691 para 796 prefeitos eleitos. O PT, que tinha eleito 634 prefeitos naquele ano, passou a 253.

PSDB conquista 14 prefeituras no 2º turno e PT, nenhuma



Balanço do 2º turnoPor Rosanne D’Agostino e Thiago Reis

O PSDB foi o partido que mais elegeu prefeitos no segundo turno das eleições municipais deste ano, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Foram 14 prefeituras conquistadas, de um total de 19 em que o partido disputava o cargo. Já o PT, que disputava sete prefeituras, não elegeu nenhum candidato.


Em seguida, aparece o PMDB, que, elegeu nove prefeitos de um total de 15 disputas. Já o
PPS, que aparece em terceiro lugar com cinco prefeitos eleitos, havia disputado sete prefeituras.


O PSDB foi o grande vitorioso do domingo. O partido só perdeu em Belo Horizonte, Campo Grande, Cuiabá, Caucaia (CE) e Franca (SP). O principal revés foi na capital mineira, em que João Leite, que terminou à frente no 1º turno, levou a virada no segundo e perdeu a disputa para Kalil (PHS).


Os tucanos venceram em Belém (PA), Blumenau (SC), Caruaru (PE), Contagem (MG), Jundiaí (SP), Maceió, Manaus, Porto Alegre, Porto Velho, Ribeirão Preto (SP), Santa Maria (RS), Santo André (SP), São Bernardo do Campo (SP) e Vila Velha (ES).



Grandes cidades
Grandes cidades
Grandes cidades
Cidades maiores

Se forem levados em conta os dois turnos, os números do PSDB são ainda melhores. O partido elegeu 28 prefeitos nas cidades com mais de 200 mil eleitores, o que inclui as capitais do país. Já o PT conseguiu apenas uma prefeitura nesses municípios. Leia mais



O PT aparece em trajetória de queda desde 2008, quando elegeu o maior número de prefeituras nesses municípios: 20 ao todo. Em 2012, passou para 17 e, agora, para um eleito. Em 2008, o PSDB elegeu 13 prefeitos, passou para 19 e, neste pleito, terá 28.



Outro partido que avançou ns cidades grandes foi o PMDB, que havia conquistado 11 prefeituras e agora terá 14. O PPS, quarto partido que mais elegeu prefeitos nas cidades grandes, com seis no total, havia eleito três prefeitos em 2012.

Balanço final

Com a definição de todos os vitoriosos no 2º turno, o PMDB termina a eleição de 2016 novamente como o partido com o maior número de prefeituras no país. São 1.038. Leia mais



Entre os partidos grandes, no entanto, o destaque é mesmo o PSDB. O partido irá governar 803 cidades – 15,5% a mais que em 2012, quando venceu 695 disputas.


O PSD também registra um crescimento: de 498 prefeitos eleitos em 2012 para 540 agora.


Desempenho dos partidos
Desempenho dos partidos
Desempenho dos partidos
Desempenho dos partidos

Sergipe é o Estado mais violento do país, diz estudo

Cíntia AcayabaDo G1 São Paulo
No ano passado, cerca de 160 pessoas foram assassinadas por dia no Brasil, uma pessoa a cada nove minutos. No total, 58.383 pessoas foram mortas violentamente e intencionalmente no país, retração de 1,2% em relação a 2014, segundo dados inéditos do 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Já o número de pessoas mortas por policiais aumentou 6,3% (saiba mais aqui).
Os dados de homicídios dolosos, latrocínios e mortes provocadas por intervenção, que configuram as mortes violentas, foram obtidos via Lei de Acesso à Informação pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, autor do anuário que será divulgado no dia 3 de novembro.
De janeiro de 2011 a dezembro de 2015, 278.839 pessoas foram mortas no país, número maior do que o de mortos na guerra da Síria, onde 256.124 morreram no mesmo período, segundo o Fórum. Os números do país do Oriente Médio são do Observatório de Direitos Humanos na Síria e da ONU.
Assassinato na região da Berrini foi encomendado, diz delegado (Foto: Glauco Araújo/G1)Baleado após sair de um bar na Berrini em junho de 2015, diretor comercial Luiz Eduardo Barreto foi um dos milhares de mortos no país no ano passado (Foto: Glauco Araújo/G1 - 01/06/2015)
Para a socióloga Samira Bueno, diretora executiva do fórum, a retração de 2014 para 2015 deve ser vista com cautela. “Eu sempre falo de redução com muito cuidado, porque os estados retificam os dados. Então, na verdade, o que aconteceu não foi uma redução, mas um empate”, disse. "Não dá pra dizer que tem uma tendência de redução nacional.”
As regiões Nordeste e Norte, por exemplo, seguem com altas taxas de assassinatos. Os primeiros cinco colocados são das duas regiões: Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Norte, Ceará e Pará.
Pela primeira vez o estado de Sergipe encabeça a lista, com 57,3 mortes violentas intencionais a cada 100 mil pessoas (aumento de 18,2% em relação aos dados do ano anterior).
Já o estado de Alagoas, que por anos encabeçou a lista, teve redução de 20,8% na taxa, saindo dos 64,1 mortos por 100 mil habitantes para 50,8, a maior queda entre todas as unidades da federação. Mesmo assim, ele é o segundo colocado no ranking.
O crime está se organizando e tem cara de briga de facção, por isso o mata-mata"
Samira Bueno, socióloga
Ainda no Nordeste, o terceiro colocado, Rio Grande do Norte, é o que teve maior crescimento na taxa: 39,1%. O estado passou de 34,9 para 48,6 por 100 mil habitantes.
“No ano passado, estourou o número de homicídios no Rio Grande do Norte. E em março deste ano, o governo decretou calamidade pública por conta do sistema prisional. O crime está se organizando e tem cara de briga de facção, por isso o mata-mata”, disse Samira.
A capital do estado, Natal, foi a que teve o maior aumento proporcional de casos de homicídios entre as capitais: a taxa quase dobrou na cidade, de 39,8 para 78,4 por 100 mil habitantes.
Quedas
Para Samira, as taxas aumentam ou diminuem conforme a prioridade da gestão pública. Os estados que têm programas estaduais de redução de homicídios e da violência letal ativos foram os que tiveram maior queda nas taxas.
“O Espírito Santo, que já figurou entre os mais violentos, por exemplo, tem um dos melhores programas de redução da violência letal", disse a diretora. Vitória foi a capital que teve a maior redução: 43,6%. "Ceará está investindo pesado nisso e também saiu do topo do ranking.”
Samira ainda avalia que o recente conflito entre as facções que agem dentro e fora dos presídios, manifestadas em recentes rebeliões, "pode piorar ainda mais o cenário se o governo federal não agir rapidamente em relação a isso".
Os estados que registraram as menores taxas de mortes violentas intencionais foram São Paulo(11,7), Santa Catarina (14,3) e Roraima (18,2).
Outro lado
Em nota, a Secretaria da Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE) disse que “a metodologia entre os estados não obedece critérios e protocolos definidos e é muito discrepante”.
“Em Sergipe, a análise é rigorosa e definida por número de vítimas --e não por ocorrências, o que gera uma diferença considerável na comparação com outros estados. A coleta em Sergipe é feita caso a caso e realizada diretamente no Instituto Médico Legal, com informações confrontadas de forma rigorosa. Sergipe não ignora qualquer informação e não permite que haja pendências de dados que devem ser repassados periodicamente à Secretaria Nacional da Segurança Pública (Senasp).”
Em nota, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Rio Grande do Norte afirmou que “ainda não teve acesso ao anuário”, mas que “em 2015 o RN superou a meta de redução de CVLI [Crimes Violentos Letais Intencionais] indicada pelo Ministério da Justiça, com uma redução de 6,3% no quantitativo de CVLIs quando comparado a 2014”.
Em comunicado, o governo do Rio Grande do Norte acrescenta que “os índices do estado voltaram a cair após 10 anos de crescimentos consecutivos”. “Isso significa que em 2015 obtivemos o melhor resultado da última década, com recorde de redução de CVLIs no RN.”
G1 procurou também as assessorias dos governos dos demais estados, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.
Anuário Brasileiro de Segurança Pública em 2015 (Foto: Editoria de Arte/G1)

NA ESTRADA DA VIDA

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

AS MAIS COMPARTILHADAS NA REDE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA