Seguidores Vip

SEGUIDORES VIP

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Ferj supera times na arrecadação com bilheteria; Bota e Vasco no vermelho

Com quatro rodadas, a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) festeja o aumento de público do Campeonato Carioca em relação à edição do ano passado. Em termos financeiros, a situação é ainda melhor para a entidade. Afinal, ao contabilizar apenas taxas de bilheteria, a entidade já lucrou R$ 244.841 com os 32 jogos disputados. Ninguém fez tanto dinheiro com a venda de ingressos no estadual. O clube que chegou mais perto disso foi o Flamengo, time de maior público nos estádios. Com as despesas descontadas, os cofres rubro-negros receberam R$ 68.206,56 de bilheteria. Os números são baseados nos borderôs das partidas e não levam em consideração as cotas de transmissão.
Flamengo x Barra Mansa (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Flamengo x Barra Mansa recebeu 13.235 pagantes, superado apenas por Fluminense x Bangu, com 13.496 (André Durão)

Os rivais não chegam perto desse valor e, inclusive, têm fechado no vermelho. A exceção é o Fluminense, com saldo positivo de modestos R$ 2.029,48. O Botafogo só não ficou no prejuízo em uma partida (na vitória sobre o Bonsucesso, que levou 9.562 pagantes ao Engenhão pela terceira rodada) e tem saldo negativo de R$ 24.406,17. A situação do Vasco é pior: são R$ 74.923,82 em prejuízo com bilheterias.
A matemática das bilheterias não tem muito mistério. A Ferj leva geralmente 10% da renda bruta das partidas e sai sempre no lucro. Os clubes, em contrapartida, têm que arcar com delegado, carro forte, taxa de iluminação, posto médico, INSS, taxa de bombeiro, antidoping... As despesas de um jogo profissional são inúmeras e caem na conta dos clubes. Ou seja, se a casa não estiver cheia, o prejuízo é provável, e, com exceção do Flamengo, essa é a realidade dos participantes.
Tabela borderôs Campeonato Carioca (Foto: Divulgação / Ferj)
O presidente da Ferj, Rubens Lopes, observa a situação de uma maneira diferente e lembra que os clubes possuem outras receitas. Fora direitos de transmissão – e bilheteria –, ele alega que os clubes ganham também, por exemplo, com estacionamento e bares. 
– Os clubes também não perdem. Não é verdade que têm prejuízo em jogos. Prejuízo é quando a despesa é maior que a receita. As receitas ligadas ao evento são aquelas que não existiriam se não houvesse evento. Direito de TV, camarote, bar, estacionamento... Se dependesse só de bilheteria, nenhum evento aconteceria. O Rock in Rio não aconteceria. Então, todas as receitas têm que ser colocadas no borderô. No Maracanã, 50% das despesas são com o estádio. Então, não é a taxa da Federação o problema. E quem aprovou este modelo foram os clubes – disse Rubinho em entrevista ao jornal "O Globo" publicada neste domingo.
Na mesma entrevista, Rubens Lopes se defende ao justificar que outras federações também cobram taxas da renda das partidas. E ele garante que o dinheiro é repassado de volta aos clubes (assim como os 5% da Previdência Social – outra taxa descontada da renda dos jogos). Além disso, explica o que é feito com a parte que entra nos cofres da Ferj.
– O valor não é tão significativo. Não dá para subsidiar todas as competições, ajudar todos os clubes. Está tudo no balanço. Temos despesas de patrimônio, como a sede. Tem despesa de pessoal, imposto, débitos passados e aplicamos no fomento do futebol. Subsidiamos torneios amadores, campeonatos de ligas municipais, damos premiações, troféus, medalhas, material esportivo. Na Série C, por exemplo, a Federação não ganha nada. E subsidia. Deixamos os clubes pagarem em 60 vezes – completa o cartola, dizendo ainda que a taxa impacta em apenas 1% nas despesas dos clubes.
Torcida engenhão Botafogo x Bonsucesso (Foto: Vitor Silva / SSPress)Torcida engenhão Botafogo x Bonsucesso (Foto: Vitor Silva / SSPress)

O que sobra da conta do borderô é fatiado entre as duas equipes, exceto em jogos entre pequenos, quando o mandante leva toda a renda do jogo (ou arca sozinho com o prejuízo). Em duelos que há presença de um grande, a divisão é feita da seguinte forma: 60% dos lucros para o vencedor e 40% para o perdedor, com os valores se invertendo em caso de prejuízo. Em caso de empate, fica 50% para cada. Assim, em partidas deficitárias, os grandes têm prejuízo dentro e fora de casa, enquanto os pequenos só perdem dinheiro nas vezes em que são mandantes – ainda assim, dividem a receita negativa quando recebem os quatro gigantes. 
No caso dos jogos entre pequenos, a situação não é diferente. Com estádios vazios no subúrbio carioca e no interior do estado, o normal é ver partidas fechando no vermelho. Uma das poucas exceções foi o clássico do Sul Fluminense entre Barra Mansa e Volta Redonda, que levou 7.090 pessoas ao Raulino de Oliveira na primeira rodada (o Barra Mansa faturou R$ 19.898,44 por ser mandante, e o Voltaço, vencedor da partida, ficou sem nada). 
Tudo azul: Ferj celebra aumento de público
Tudo isso após uma polêmica da Ferj com Flamengo e Fluminense em razão de preço dos ingressos. Terminada a terceira rodada, a entidade, que voltou atrás na medida de colocar os valores promocionais, celebrou o aumento da média de público em relação ao ano passado, através de uma nota publicada em seu site oficial na terça-feira. Em 2014, a média de pagantes neste início era de 2.706 pessoas; agora é de 3.635. Faltou dizer que as partidas são deficitárias.
É importante lembrar que os números são baseados nos borderôs das partidas, que em casos de jogos com pouco público são maquiados. O artigo 11 do regulamento obriga os times de menor investimento a lançarem 25% da capacidade liberada pelo Corpo de Bombeiros como ingressos utilizados. Ou seja: em confrontos com público inferior a esse "piso", o público pagante fornecido nos borderôs pode não corresponder ao número de torcedores que de fato comprou os ingressos – e o mandante fica sujeito a prejuízo. Uma espécie de "doping" para a estatísticas do Carioca. 
"§ 1º - Nas partidas em que não envolvam qualquer dos clubes grandes (Fluminense, Botafogo, Flamengo e Vasco), 25% da capacidade de público do estádio liberada pelo CBMERJ terão os ingressos contabilizados como utilizados, tomando-se como base de cálculo o valor de uma arquibancada inteira, podendo o clube dispor dos mesmos da forma como lhe convier, preferencialmente destinados a fins sociais".

Postar um comentário

NA ESTRADA DA VIDA

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

FRAM MARQUES

Minha foto

MINHA PÁGINA:

MEU GRUPO: 

MEU SITE:

SIMPLES ASSIM...

HOJE APRENDI QUE VIVER É SER LIVRE, QUE TER AMIGOS É NECESSÁRIO, APRENDI QUE O TEMPO CURA, QUE LUTAR É MANTER-SE VIVO, QUE DECEPÇÃO NÃO MATA, QUE HOJE É REFLEXO DO ONTEM, QUE VERDADEIROS AMIGOS PERMANECEM QUE A DOR FORTALECE, QUE A BELEZA NÃO ESTA NO QUE TEMOS, MAS SIM NO QUE SENTIMOS! , E QUE O SEGREDO DA VIDA É VIVER,

LUTE, SONHE, PERDOE, CONQUISTE CADA SEGUNDO, POIS,
NA VIDA NÃO HÁ RETORNOS:
SÓ RECORDAÇÃO.

SE ALGUM DIA ALGUÉM LHE DISSER QUE SEU TRABALHO NÃO É DE UM PROFISSIONAL, LEMBRE-SE:
AMADORES CONSTRUÍRAM A ARCA DE NOÉ E PROFISSIONAIS CONSTRUÍRAM O TITANIC.
PORTANTO, ANTES DE RECLAMAR, LEMBRE-SE, NÃO SOU PERFEITO, MAS PROCURO A PERFEIÇÃO.




FRAM MARQUES

AS MAIS COMPARTILHADAS NA REDE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA