Seguidores Vip

SEGUIDORES VIP

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

À sombra da vergonha do doping

Foto: Jaelson Lucas/SMCS
Foto: Jaelson Lucas/SMCS
“O Brasil se aproxima da Rússia em casos de doping”, manchete de um famoso e respeitado portal americano de natação. Quanto mais tentamos acreditar que a situação melhora por aqui e apontamos dedo para outros países com casos graves de irregularidades no uso de substâncias proibidas, mais mascaramos nossos próprios erros e a gravidade da nossa própria situação.
A maior conquista da história da natação brasileira está à sombra do que há de pior no esporte. Com o traço de diurético encontrado no exame de João Gomes Jr., representante da seleção nacional no Mundial de Doha, no Catar, em dezembro do ano passado, o título da competição está em xeque. Apesar de ter sido apenas reserva em três revezamentos do grupo no evento, sendo substituído pelo grande campeão Felipe França nas finais, o nadador pode comprometer a conquista de três medalhas de ouro do país, o que derrubaria o Brasil do inédito ouro para a quarta colocação.
O doping ainda não foi comprovado, um novo teste será feito com outra amostra de urina de João, mas o prognóstico não é favorável. A presença de diurético é considerada digna de punição pela Wada (Agência Mundial Antidoping) porque, no caso da natação, a substância pode ser consumida para mascarar o uso de outras substâncias que melhoram o desempenho esportivo. Foi caso idêntico ao de Cesar Cielo, Henrique Barbosa, Nicholas Santos e Vinicius Waked, em 2011. Mas a defesa está longe de ser igual. Na ocasião, os três receberam apenas uma advertência, escapando de punição severa. Mas a defesa dos atletas atuou fortemente, assim como a CBDA nos bastidores, para provar que houve uma contaminação por culpa da farmácia de manipulação nos suplementos dos nadadores. A Fina (Federação internacional de Natação) reprovou a decisão da punição na época, de exames com resultados adversos feitos em uma competição nacional, recorreu no CAS (corte arbitral do esporte), e acabou perdendo. Desta vez, com a mesma alegação da defesa que inocentou Cielo & cia, o exame foi feito em um torneio organizado pela FINA. Que não vai permitir que o resultado final seja de impunidade para o atleta brasileiro.
Se a Confederação Brasileira deve, em seu papel, defender com unhas e dentes o nadador cuja punição tirará sua grande glória, os espectadores devem gritar por justiça e punições exemplares diante de tal ausência de ética esportiva. Se comprovado o doping de João, que sua punição seja severa dentro da lei que rege o esporte. A WADA colocou seu novo código mundial antidoping em vigor em 1º de janeiro deste ano, de uma intensidade tão cruel quanto, talvez, necessária para que a lição seja aprendida. Uma punição máxima agora tira um atleta de atuação por todo um ciclo olímpico: quatro anos. O dobro do código anterior. No caso de doping acidental por substâncias mascarantes como um diurético, a pena comum é de seis meses de suspensão. Tal punição já seria suficiente para tirar as medalhas de João – e do Brasil.
De acordo com um levantamento (bastante confiável) do Coach Alexandre Pussieldi, são no total 31 casos de doping na história da natação brasileira. E 21 deles de 2009 até hoje. Números escandalosos, que fazem barulho ainda por outra situação que levanta suspeitas de que a CBDA não faz o seu maior esforço para combater o problema no Brasil: em nenhum deles os atletas foram pegos em testes surpresa. Sempre em competições oficiais. Os nadadores brasileiros que se dopam têm o hábito de apenas usar substâncias proibidas às vésperas ou durante competições, ou a fiscalização não é feita como deveria ser no país?
Neste espaço já foi abordado anteriormente o tema do doping, lembrando a chocante história de um atleta infantil (13-14 anos) pego em exame antidoping. A ação do COB está focada especialmente no trabalho de conscientização do problema. Realmente, a chance de um atleta ter um resultado adverso em um exame por desconhecimento é grande. Remédios comuns, como uma simples Neosaldina para dor de cabeça, possuem substâncias proibidas pela cartilha da WADA. Um atleta mal orientado pode consumir, sem intenção, uma delas. E por isso a explicação e o alerta para que os atletas de ponta do país saibam que tipo de produto enfiam goela abaixo são de vital importância. Mas é de uma ingenuidade imprópria crer que o doping que corre nas veias de muitos atletas, por todo o mundo, é em grande parte sem intenção de melhorar seu desempenho.
Os casos cada vez mais escancarados de doping na Rússia são uma mancha para o esporte mundial (o documentário do jornalista alemão sobre a “indústria do doping” russo é uma boa recomendação para quem se interessa pelo assunto). E saber que o mundo está começando a olhar para a sede dos próximos Jogos Olímpicos como um país que se aproxima disso deveria ser, no mínimo, uma vergonha para as nossas autoridades esportivas.

Postar um comentário

NA ESTRADA DA VIDA

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

FRAM MARQUES

Minha foto

MINHA PÁGINA:

MEU GRUPO: 

MEU SITE:

SIMPLES ASSIM...

HOJE APRENDI QUE VIVER É SER LIVRE, QUE TER AMIGOS É NECESSÁRIO, APRENDI QUE O TEMPO CURA, QUE LUTAR É MANTER-SE VIVO, QUE DECEPÇÃO NÃO MATA, QUE HOJE É REFLEXO DO ONTEM, QUE VERDADEIROS AMIGOS PERMANECEM QUE A DOR FORTALECE, QUE A BELEZA NÃO ESTA NO QUE TEMOS, MAS SIM NO QUE SENTIMOS! , E QUE O SEGREDO DA VIDA É VIVER,

LUTE, SONHE, PERDOE, CONQUISTE CADA SEGUNDO, POIS,
NA VIDA NÃO HÁ RETORNOS:
SÓ RECORDAÇÃO.

SE ALGUM DIA ALGUÉM LHE DISSER QUE SEU TRABALHO NÃO É DE UM PROFISSIONAL, LEMBRE-SE:
AMADORES CONSTRUÍRAM A ARCA DE NOÉ E PROFISSIONAIS CONSTRUÍRAM O TITANIC.
PORTANTO, ANTES DE RECLAMAR, LEMBRE-SE, NÃO SOU PERFEITO, MAS PROCURO A PERFEIÇÃO.




FRAM MARQUES

AS MAIS COMPARTILHADAS NA REDE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA