Gilvan Maq-Peças

Gilvan Maq-Peças
Tobias Barreto - Sergipe

TOCA DO ÍNDIO

TOCA DO ÍNDIO
DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Por que não vemos os filhotes de pombos?

Visite qualquer vila ou cidade, e é provável que você os veja em todos os lugares; pombos, a mais onipresente ave urbana, sempre caminha em praças, calçadas ou telhados.
Mas há algo estranho sobre esses animais. Sempre os vemos velhos e mancando, geralmente maduros e sábios, enquanto só alguns jovens. No entanto, nunca vemos seus bebês. Por que?
Os pombos-domésticos – os que vemos em nossas cidades – são descendentes dos pombos-das-rochas, mas continuam a ser essencialmente o mesmo pássaro. Seus gostos podem ser um pouco mais cosmopolitas, mas quando se trata de reprodução, eles continuam tendo os mesmos hábitos que os pombos selvagens, que são muito reservados quando se trata de situar seus ninhos.
Por que não vemos os filhotes de pombos?
Filhote de pombo
Essas aves urbanas tendem a ser muito discretas quando se reproduzem e, geralmente, mantém seus ninhos longe do contato humano direto, por segurança. Na ausência de penhascos, falésias e cavernas em nossas cidades, os pombos geralmente procuram por torres de igrejas, prédios abandonados e pontes para construir seus ninhos, de modo que é muito difícil encontrar ao acaso um deles e ver seus filhotes.
Os filhotes normalmente ficam bastante tempo no ninho. O período de aninhamento, quando os filhotes são alimentados pelos pais, costuma demorar mais de 40 dias. Depois desse período, quando deixam a “casa”, os pombos já estão crescidos e são fisicamente semelhantes as aves mais velhas.
A diferença mais notável entre um pombo jovem e um velho é a sua coloração: uma ave jovem não tem as manchas verdes e roxas ao redor de seu pescoço, enquanto uma velha já tem. [BBCGalileu]


Por que não vemos os filhotes de pombos?

Nenhum comentário:

NA ESTRADA DA VIDA

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

AS MAIS COMPARTILHADAS NA REDE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA